Gás de cozinha salta quase 50% e botijão já é vendido por R$ 110

Revendedores avaliam que os botijões de 13kg viraram “produto de luxo”


Cozinhar dentro de casa passou a ter um gosto mais salgado nos últimos meses após entrar em vigor a nova política de reajuste de preços do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo). Somente entre junho e outubro, o valor dos botijões de 13 kg saltou quase 50% e já chega a R$ 110 em revendedoras do País.
A adoção das novas remarcações de preço passou a valer no dia 7 de junho de 2017. Desde então, foram cinco altas e uma baixa, que resultam em uma variação de 47,5% nas refinarias do País.
A alta verificada para os revendedores foi de 5,86% e, hoje, eles pagam, em média, R$ 43,30 por cada botijão de 13 kg.
Ao consumidor final, a variação média verificada pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) no período é de 7,56%. Em outubro, o preço médio encontrado para os itens de 13 kg foi de R$ 61,72, com variação entre R$ 40 e R$ 110.
O preço dos botijões foi o que mais impactou no IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de outubro, divulgado nesta sexta-feira (20) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Considerado uma prévia da inflação, o indicador voltou a subir após registrar queda em setembro.
Produto de luxo
Ao avaliar os botijões como "produtos de utilidade pública", o presidente da Asmirg (Associação Brasileira dos Revendedores de GLP), Alexandre Borjaili, classifica a série de altas como "totalmente abusiva". Para ele, os sucessivos reajustes colocaram o gás de cozinha “em uma condição de produto de luxo”.
— Pegar um produto essencial à alimentação do povo brasileiro e subir dessa forma descabida é uma loucura. [...] O gás de cozinha é um produto-base para poder alimentar de toda a população brasileira e está sendo tratado de forma irresponsável.
A Fundação Procon (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor) diz que os reajustes não podem ser considerados ilegais porque o Brasil adota a "política de livre mercado" e as estatais podem aumentar os preços conforme suas necessidades.
Borjaili, entretanto, defende que a Petrobras deveria adotar uma postura “mais transparente” em relação aos reajustes.
— Ela [Petrobras] tem responsabilidade com a nação e com o povo brasileiro em geral, e o governo federal deveria intervir em uma questão tão séria como essa.
Ao adotar a nova política, a petroleira afirmou que a nova política de reajuste não teria como referência a paridade de preços internacionais e fazia parte dos parâmetros do plano de planejamento estratégico da empresa. As divulgações, prometidas para o início de cada mês, no entanto, ocorreram duas vezes em setembro (altas de 12,2% e 6,9%).
A estatal destaca ainda que responde por cerca de 25% do valor final do produto, sendo 20% tributos e o restante do preço composto por distribuição e revenda (55%). 
Em nota divulgada após o último reajuste da Petrobras, o Sindigas (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo) afirma que “a correção aplicada não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional”.
O órgão calcula que o preço dos botijões ainda está 6,08% abaixo da paridade de importação. Segundo o Sindigas, a disparidade ”inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcelo faz texto emocionante em despedida de Cristiano Ronaldo

Lateral da seleção brasileira usou as redes sociais para se despedir do mais novo reforço da Juventus, com quem atuou durante quase 10 anos...